6º anos. Professora Luciane Gotardo. História: Egito: a civilização do Nilo. (semana 21/06 a 05/07/21)

21/06/2021

Olá querido aluno, seguimos nosso encontro por aqui, mas hoje também retornamos na sala de aula, vamos continuar nosso processo de ensino-aprendizagem. Nestas semanas vamos conhecer a História do Egito. Vamos lá?

Correção das atividades propostas sobre o conteúdo: 07/06/21 a 20/06/21- HEBREUS, FENÍCIOS E PERSAS.

1) Os Persas ocupavam uma área que hoje corresponde ao: a) Irã

2) Os fenícios ocupavam uma área que hoje corresponde ao: b) Líbano

3) Das alternativas abaixo, a que melhor caracteriza a sociedade fenícia é: c) o comércio e o politeísmo;

4) Circule qual das civilizações abaixo possuía uma religião monoteísta? b) Hebreus

5) Que característica da civilização fenícia foi herdada por civilizações da Europa Ocidental, como a grega e a romana, e que se destaca ainda hoje como uma das invenções mais importantes para o desenvolvimento da cultura humana? b) o desenvolvimento da escrita alfabética.

6) Qual destas é a principal colônia Fenícia no Mar Mediterrâneo? c)Cartago

Atividades do livro didático - da página 89 - 1, 2 e 3.

1)a) Persas                      e) Persas

b) Hebreus                      f) Fenícios

c) Hebreus                      g) Hebreus

d)Fenícios

2) a) Segundo o autor, especialmente porque a Bíblia apresenta um compromisso básico com a unidade, com a trajetória e os modos de vida do povo hebreu, e não com narrativa fiel de acontecimentos.

b) Porque a Bíblia fornece informações importantes ao trabalho do historiador, como costumes e padrões de comportamento.

3)a) O texto trata dos fenícios, povo de origem semita que se fixou numa faixa de terra entre o mar Mediterrâneo e as montanhas do atual Líbano.

b) Os fenícios eram excelentes artesãos: dominavam as técnicas da metalurgia, da produção de cerâmica e de vidro. Controlavam o comércio de inúmeras mercadorias, como o marfim, pedras preciosas e o pigmento cor de púrpura, além de possuírem uma grande tropa naval.

Conteúdo do período de 07/06 a 20/06/21: Povos da Antiguidade da África - Egito: a civilização do Nilo.

O Egito Antigo foi uma civilização da Antiguidade oriental do Norte de África, concentrada ao longo do curso inferior do rio Nilo, no que é hoje o país moderno do Egito, tendo sido uma das primeiras grandes civilizações da Antiguidade.

Egito Antigo: Um oásis em meio ao deserto

A civilização egípcia desenvolveu-se a volta do Nilo, um oásis no meio do deserto do Saara, que propiciou a fixação do homem com água e solos férteis (devido às enchentes). Mas também a outros fatores que explicam desenvolvimento dessa civilização, como o fato do desempenho do homem para aproveitar os recursos com criatividade, trabalho e planejamento. Para defender suas vilas e moradias das violentas inundações, os egípcios construíram diques. Também construíram canais de irrigação para levar águas do rio a regiões mais distantes. Assim essa civilização desenvolveu-se num clima árido e adverso, margeando o Nilo. O rio Nilo, tinha tão grande importância para os egípcios, que era considerado como um deus.  

Evolução Política

Em mais de 3000 anos o Egito foi marcado por grandes oscilações políticas, glórias e decadências. A história do Egito antigo é dividida em dois períodos: Pré-dinástico, desde a formação das primeiras comunidades até a 1ª dinastia de faraós; e Dinástico, com três fases principais, Antigo, Médio e Novo Império.

Sociedade

Faraó era considerado um deus vivo, com autoridade absoluta, apenas altos dirigentes e chefes de províncias podiam questionar algumas ordens do faraó. Abaixo do faraó a sociedade era dividida em dominantes e dominados.

Grupo dos dominantes

• Nobres: comandavam províncias ou principais postos do exército, os cargos eram hereditários.

• Sacerdotes: presidiam cerimônias religiosas e administravam os bens do templo, desfrutavam da enorme riqueza proveniente das oferendas.

• Escribas: funcionários públicos que cobravam impostos, fiscalizavam a economia, organizavam as leis... Todos sabiam ler, escrever e contar.

Grupo dos dominados

• Artesãos: trabalhadores urbanos como barbeiros, ferreiros, barqueiros, tecelões, carpinteiros... Muitos trabalhavam em construções e viviam quase sempre na pobreza.

• Felás: camponeses ou trabalhadores das obras públicas, transporte... Eram a grande maioria dos egípcios e viviam na miséria.

• Escravos: presos de guerra, trabalhavam nos serviços mais pesados como as pedreiras. Viviam precariamente, mas tinham alguns direitos, como casar com pessoas livres, possuir bens, testemunhar... (Alguns tinham altas colocações, inclusive alguns estavam entre os escribas).

Camponeses: não tinham descanso mesmo durante as cheias, nesse período fabricavam e consertavam utensílios e, por vezes, eram chamados para as obras dos faraós. Quando as águas descem, eles consertavam os estragos feitos por esta, consertando canais e reforçando a margem do rio.

A irrigação era diária, devido a força do sol e a noite os camponeses verificavam os utensílios e fabricavam cordas. Alimentavam-se de pão, cerveja e legumes e, as vezes, peixe e frutas. Eram muito magros com essa alimentação. Os gordos são de classes abastadas, e eram considerados elegantes.

Economia

 Predomina o modo de produção asiático. Estado/Faraó é dono de toda a terra, controlando o trabalho agrícola. Além da agricultura, o Estado egípcio também controlava muitas outras atividades econômicas, por meio de seus funcionários, administrava as pedreiras, minas e construções. A maioria dos egípcios viviam em servidão, obrigados a sustentar elites com tributos, em bens (impostos) ou trabalho (corveia).

Principais atividades econômicas

• Agricultura: destaca-se o cultivo de trigo (pão), cevada (cerveja), linho (tecidos) e papiro (papel).

• Pecuária: criavam bois, asnos, carneiros, porcos e aves, após invasão dos hicsos começam a criar cavalos. Para a maioria da população carne era um luxo e só a consumiam em ocasiões especiais.

• Comércio exterior: exportação (trigo, tecidos de linho, cerâmica...) e importação (marfim, perfumes, peles...). Era de controle do Estado, que envia expedições para Palestina, Creta, Fenícia.

Cultura e Mentalidade

A vida no Egito era profundamente influenciada pela religião. Eles davam grande atenção aos deuses e aos mortos, Construindo templo e túmulos, como pirâmides, traziam de lugares longínquos pedra dura e metais preciosos.

Eram politeístas e suas cerimônias tanto podiam ser patrocinadas pelo Estado (oficial), como ser espontâneas (popular). Nas oficiais destacavam-se cultos a Amon-Rá (fusão de Rá, deus do sol e criador, e Amon deus de Tebas). Nas populares predomina três divindades: Osíris (deus da vegetação, natureza e mortos), Ísis (esposa e irmã de Osíris) e Hórus (deus do céu, filho de Osíris e Ísis). Faraós eram considerados descendentes de Hórus.

Acreditavam na vida após a morte, onde, ao morrerem, eram julgados por Osíris, podendo retornar a seus corpos se absolvidos, mas para isso precisavam que seus corpos fossem conservados, por isso a mumificação. Após mumificação os corpos eram enterrados nos sarcófagos com alimentos, roupas, joias e um exemplar do Livro dos mortos (coleção de textos religiosos para serem recitados quando alma comparecesse ao Tribunal de Osíris).

Durante o novo império, o faraó Amenófis IV tentou instaurar o monoteísmo, instituindo o culto a Aton, simbolizado pelo disco solar. Tais reformas tinham fundo político, pois faraó desejava diminuir o poder dos sacerdotes, se tornando o supremo sacerdote. Mas, após sua morte, os antigos cultos foram retomados junto com o poder dos sacerdotes.

Escrita: hieróglifos e papiro

Hieróglifos (palavra de origem egípcia, significava sinais sagrados) eram sinais que simbolizavam objetos concretos e aos poucos foram tomando sentido convencional, expressando ideias abstratas. Foi o francês, Jean-François Champolion, que, em 1822, decifrou a escrita egípcia através da Pedra da Roseta, que possuía inscrições egípcias traduzidas para o grego. Registros eram feito em pedra, madeira ou papiro (papel fabricado a partir de planta do mesmo nome).

Cotidiano

Egípcios adoravam a vida, desejavam que a pós- vida fosse igual a essa. Por isso mumificavam e deixavam comida para mortos. Eles se divertiam com jogos de azar, os jovens nobres preferiam caçar e pescar.

Decadência do Egito

Após o séc. XII a. C., o Egito foi invadido por vários povos. 670 a. C., os assírios dominam o Egito por 8 anos. Após libertar-se dos assírios, o Egito começa fase de recuperação econômica e cultural, conhecida com renascença saíta, devido ser impulsionada por soberanos da cidade de Sais. Mas isso durou pouco, pois, em aproximadamente 525 a.C., persas conquistam o Egito. E quase dois séculos após, vieram os macedônios, comandados por Alexandre Magno, que derrotaram os persas. E em 30 a.C. os romanos dominam o Egito.

Atividades propostas:

1)Sobre o papel do rio Nilo na estruturação da sociedade no Egito Antigo, é correto afirmar que:

a) permitia a atividade econômica e, com suas cheias regulares, garantia a estabilidade político e o domínio simbólico dos faraós

b) sua maior importância era servir de meio de transporte para as tropas que garantiam a supremacia militar dos egípcios em toda a África.

c) suas cheias significavam um momento de instabilidade política e econômica, uma vez que destruíam as colheitas e provocavam fome generalizada.

d) a capacidade e o volume de água não eram aproveitados pelos egípcios, que se limitavam nas vazantes a esperar a próxima cheia.

2 Sobre o Egito antigo, é correto afirmar que:

a) a religião desempenhava um papel fundamental na cultura egípcia, com o culto ao Deus Shiva da fertilidade da terra.

b) os egípcios inventaram o alfabeto, composto de 22 letras consonantais, influenciando o alfabeto grego, base de várias línguas modernas.

c) as obras literárias baseadas em princípios morais e religiosos circulavam entre os aristocratas e camponeses.

d) a economia era baseada na agricultura e na criação, atividades vinculadas a um complexo sistema de irrigação.

3) A religião estava presente em todos os aspectos da vida no Antigo Egito. A medicina, inclusive, era impregnada de elementos mágicos e religiosos.

A relação entre religião e medicina no Antigo Egito era evidente na medida em que:

a) as práticas médicas estavam voltadas apenas para o tratamento dos faraós, cuja imagem era associada aos deuses.

b) as técnicas desenvolvidas na medicina foram estimuladas pela necessidade de preservar o corpo para a vida após a morte.

c) os médicos, recrutados entre as mais altas camadas sociais, acumulavam também a função de promover o culto religioso.

d) os médicos queriam prolongar a existência terrena, estimulados pelas crenças religiosas que negavam a imortalidade da alma.

4) No Egito Antigo a maioria da população vivia em condições materiais precárias de existência. Constituía um grupo privilegiado da sociedade egípcia:

a) os felás.

b) os artesãos.

c) os escravos.

d) os sacerdotes.

4) Sobre a organização social do Antigo Egito, é correto afirmar:

a) a casta superior era formada pelos agricultores que possuíam as terras em volta do Nilo.

b) a parte mais numerosa da sociedade era formada por escravos e atingia 50% do total da população.

c) os sacerdotes, a despeito de numerosos, não tinham papel destacado na sociedade.

d) dentro da aristocracia, formada por sacerdotes, burocratas e nobres, destacavam-se os escribas, responsáveis pela organização administrativa do Império.

Agora vamos para o livro didático: para melhor entendimento, faça a leitura da página 104 até 110. Depois faça as atividades de fixação da página 114 - número 1, 2 e 3. Ainda temos um vídeo sobre a História do Egito para o melhor entendimento sobre esse assunto. Vamos lá? https://youtu.be/CEMMtJ0xMfs