7º anos. Profª Luciane Gotardo. História: Grandes Navegações. Semana de 01 a 12/03/2021.

26/02/2021

 ACOLHIMENTO PARA O ANO LETIVO DE 2021

Olá querido aluno, como é bom estar contigo novamente, para mais um a ano letivo, mesmo neste momento difícil que estamos enfrentando. É hora de preparar a mente para novos conhecimentos e o coração para novas aventuras. Bem-vindos, queridos alunos!

Com esforço e dedicação, mas também com muita responsabilidade esperamos que este ano seja de muito sucesso para todos. Que não falte nunca a boa disposição, o respeito entre todos e fortes laços de amizade, obedecendo todos os protocolos de segurança que o momento exige de cada um, e que no final todos partam mais ricos de boas memórias e aprendizados. Venham com alegria e muita energia positiva, pois a escola não é só lugar para aprender. Mas também para crescer, evoluir e fazer novas amizades. Alegria por receber de volta nossos alunos, mesmo que de forma reduzida, precisamos ter esperança pelo novo ano letivo que está por vir.

Esperamos que todos tenham uma boa volta e que esta jornada inicie com muita felicidade. Esta é a hora de rever os amigos, professores e se focar para ter um ano de muito aprendizado e conhecimento.
Hoje é o início de um novo tempo, e muito diferente de todos os que já vivemos, mas temos certeza que será único e incrível.
É o momento de refletirmos nos objetivos conjuntos e pessoais. É a altura ideal para enchermos nossos corações de motivação e partirmos em busca de grandes conquistas.
É um prazer darmos as boas-vindas a todos os alunos. O meu desejo é que desfrutem desta jornada que agora começa para chegarmos ao final enriquecidos por esta nobre experiência de aprendizagem.

 Durante a vida são muitas as experiências que guardamos, e entre elas certamente estão aquelas que vivemos nos tempos de escola. Nesse lugar especial encontramos uma segunda casa onde aprendemos sobre relações humanas e onde construímos a base do nosso conhecimento. É um período de muita felicidade, embora muitas vezes só o reconheçamos alguns anos mais tarde.
Aproveite a escola, desfrute de todas as descobertas que ela lhe permite fazer, e dê valor ao seu importante papel. Trabalhe com motivação para retirar o que de melhor esse estabelecimento de ensino tem para oferecer, e veja como é bom crescer nele a cada dia. Sejam muito bem-vindos para esse novo ano letivo.

Com carinho da professora Luciane Gotardo.

 

7º anos. Profª Luciane Gotardo. História: Expansão Marítima Europeia.

Grandes Navegações é o nome dado ao processo de exploração e navegação do Oceano Atlântico encabeçado pelos portugueses a partir do século XV. Era dos descobrimentos é a designação dada ao período da história que decorreu entre o século XV e o início do século XVII, durante o qual, inicialmente, portugueses, depois espanhóis e, posteriormente, alguns países europeus exploraram intensivamente o globo terrestre em busca de novas rotas de comércio.

Durante os séculos XV e XVI, exploradores europeus, mas principalmente portugueses e espanhóis, começaram a aventurar-se pelo "mar desconhecido", isto é, pelo oceano Atlântico e também pelo Pacífico e Índico dando início à chamada Era das Navegações e Descobrimentos Marítimos.

No século XV, os países europeus que quisessem comprar especiarias (pimenta, açafrão, gengibre, canela e outros temperos), tinham que recorrer aos comerciantes de Veneza ou Gênova, que possuíam o monopólio destes produtos. Com acesso aos mercados orientais - Índia era o principal - os burgueses italianos cobravam preços exorbitantes pelas especiarias do oriente. O canal de comunicação e transporte de mercadorias vindas do oriente era o Mar Mediterrâneo, dominado pelos italianos. Encontrar um novo caminho para as Índias era uma tarefa difícil, porém muito desejada. Portugal e Espanha desejavam muito ter acesso direto às fontes orientais, para poderem também lucrar com este interessante comércio. Um outro fator importante, era a necessidade dos europeus de conquistarem novas terras.

Características das grandes navegações: pode-se dizer que as grandes navegações foram:

  • impulsionadas pelo Mercantilismo: as monarquias investiram nas navegações devido ao sistema econômico mercantilista, que propagava a ideia de que o acúmulo de riquezas;

  • apoiadas pela Igreja Católica: essa instituição queria captar novos fieis e recuperar a força que perdeu devido à Reforma Protestante, em um movimento conhecido como Contrarreforma;

  • possibilitada pelo conhecimento: os livros tornaram a informação mais acessível e permitiram avanços sobre o conhecimento geográfico;

  • viabilizada pelo desenvolvimento científico: Portugal contratou os maiores especialistas em conhecimento naval de sua época. Eram cartógrafos, astrônomos, geógrafos, construtores e pilotos. Eles aperfeiçoaram instrumentos náuticos criados por outros povos, como a bússola, astrolábio.

Pioneirismo português. Portugal foi o pioneiro nas navegações dos séculos XV e XVI devido a uma série de condições encontradas neste país ibérico. A grande experiência em navegações, principalmente da pesca de bacalhau, ajudou muito Portugal. As caravelas, principal meio de transporte marítimo e comercial do período, eram desenvolvidas com qualidade superior à de outras nações. Portugal contou com uma quantidade significativa de investimentos de capital vindos da burguesia e também da nobreza, interessadas nos lucros que este negócio poderia gerar. Neste país também houve a preocupação com os estudos náuticos, pois os portugueses chegaram a criar até mesmo um centro de estudos: A Escola de Sagres.

Os principais feitos desse período foram:

  • a chegada de Cristóvão Colombo à América central em 1492, embora o descobridor acreditasse que havia chegado às Índias;

  • a chegada de Vasco da Gama às Índias pela rota que contornava a África, em 1498;

  • a chegada de Pedro Álvares Cabral ao litoral brasileiro, em 1500.

A Espanha foi o segundo país a se lançar na aventura das grandes navegações. A primeira viagem marítima financiada pelo país ocorreu em 1492, com Cristóvão Colombo, 77 anos depois de os portugueses invadirem Ceuta, no Reino de Fez (atual Marrocos), em 1415. Ao contrário de Portugal, os espanhóis tiveram de resolver vários problemas relacionados ao processo de formação de sua monarquia nacional, para só então empreender a aventura pelos mares. No ano de 1492, com a vitória contra os muçulmanos na chamada Guerra de Reconquista, o recém-formado governo espanhol decide contratar os serviços de um navegador italiano chamado Cristóvão Colombo. Na época, os reis espanhóis investem no projeto de criação de uma rota que dava acesso às Índias através da navegação do Atlântico rumo a Oeste.

Em princípio, a ideia era de que a circunavegação da Terra pudesse oferecer um novo acesso ao continente indiano. Contudo, os três navios utilizados para esse fim acabaram batendo na ilha de Guanaani, no Caribe. Após batizar a ilha de San Salvador, Colombo fez outras viagens onde encontrou as ilhas de Cuba, Bahamas e São Domingos. Ainda pensando estar nas Índias, Colombo batizou os moradores locais de "índios". Pouco tempo depois, outros navegadores e companheiros de viagem demonstraram que Cristóvão Colombo havia feito a descoberta de um novo continente entre a Europa e a Ásia. O navegador florentino Américo Vespúcio foi o responsável por oficializar tal constatação e, por tal razão, acabou tendo o nome usado para nomear a América, o mais novo continente do mundo.

O que foi o Tratado de Tordesilhas? O Tratado de Tordesilhas foi um documento assinado em junho de 1494, na vila espanhola de Tordesilhas. Os protagonistas foram Portugal e Espanha, que delimitaram, através de uma linha imaginária, as posses portuguesa e espanhola no território da América do Sul, chamado de "Novo Continente". 

Atividades propostas:

1)Defina Grandes Navegações.

2)Qual o período que ocorre as Grandes Navegações?

3)Quais as características das Grandes Navegações?

4)Fale sobre o pioneirismo português.

5)O que foi o Tratado de Tordesilhas?