Geografia - Origem do Povo Brasileiro e Migrações 07 a 31/07

22/07/2021

ATIVIDADE LIVRO GEOGRAFIA

SEMANA 1 - HETEROGENEIDADE DA POPULAÇÃO BRASILEIRA.

LER PÁGINAS 76,77,78

EXERCICIOS PAG 79 LER E RESPONDER COM BASE NO TEXTO OS NUMEROS 1,2,3.

SEMANA 2 - MIGRAÇÕES BRASILEIRAS.

LER PÁGINAS 80, 81,82

EXERCICIOS PAGINA 83 NUMEROS 1,2,3,4,5,6 E 7.

Heterogeneidade - Origens do Povo Brasileiro.

O povo brasileiro foi originado a partir da miscigenação (MISTURA) entre diferentes etnias (POVOS).

A população brasileira é bastante miscigenada (misturada). Isso ocorreu em razão da mistura de diversos grupos humanos. São inúmeras as raças que favoreceram a formação do povo brasileiro. Os principais grupos foram os povos indígenas, africanos, imigrantes europeus e asiáticos.

Povos indígenas: antes do descobrimento do Brasil, o território já era habitado por povos nativos, nesse caso, os índios. Existem diversos grupos indígenas no país, entre os principais estão: Karajá, Bororo, Kaigang e Yanomani. No passado, a população desses índios era de quase 2 milhões de pessoas.

Povos africanos: grupo humano que sofreu uma migração involuntária, pois foram capturados e trazidos para o Brasil, especialmente entre os séculos XVI e XIX. Nesse período, desembarcaram no Brasil milhões de negros africanos, que vieram para o trabalho escravo. Os escravos trabalharam especialmente no cultivo da cana-de-açúcar e do café.

Imigrantes europeus e asiáticos: os primeiros europeus a chegarem ao Brasil foram os portugueses. Mais tarde, por volta do século XIX, o governo brasileiro promoveu a entrada de um grande número de imigrantes europeus e também asiáticos. Na primeira metade do século XX, pelo menos quatro milhões de imigrantes desembarcaram no Brasil. Dentre os principais grupos humanos europeus, destacam-se: portugueses, espanhóis, italianos e alemães. Em relação aos povos asiáticos, podemos destacar japoneses, sírios e libaneses.

Tendo em vista essa diversidade de raças, culturas e etnias, o resultado só poderia ser uma miscigenação, a qual promoveu uma grande riqueza cultural. Por esse motivo, encontramos inúmeras manifestações culturais, costumes, pratos típicos, entre outros aspectos.

Os Europeus e a origem do povo brasileiro

Portugueses

O primeiro grupo europeu a aportar no Brasil foram os portugueses. Estes realizaram as viagens marítimas com vários objetivos: queriam metais preciosos, terras, expandir o cristianismo e glória nas batalhas. Motivos não faltaram para cruzar o "Mar Oceano".

Os portugueses introduziram novos conceitos de sociedade, economia e religião, muito diferentes aos costumes indígenas. Um dos exemplos é a economia: ao invés de plantar para subsistência, agora era preciso cultivar produtos em grande escala que pudessem ser vendidos no mercado europeu.

Também trouxeram sua religião e a impuseram aos indígenas. Através da crença, vieram as festas, o idioma (latim e o português) e uma nova filosofia de vida. Ao invés de vários deuses, agora, adorava-se somente uma divindade, havia um livro para seguir e uma hierarquia de sacerdotes.

Além da religião, o português passou a ser o idioma do novo território, assim como a organização política e a economia capitalista.

Holandeses

Igualmente, durante o período colonial, temos que considerar a influência dos holandeses, especialmente em Pernambuco.

A chegada dos holandeses significou a vinda de uma nova religião, o calvinismo. No princípio, este gerou vários conflitos de ordem religiosa com episódios de destruição de templos católicos.

Os holandeses, também chamados de batavos, permaneceram vinte e quatro anos até serem expulsos por uma armada luso-espanhola.

Os Africanos na formação do Brasil

Os africanos foram trazidos para serem escravos nas Américas.

No entanto, cada indivíduo trouxe seu idioma, sua fé e suas habilidades. Desta maneira, este saber foi se disseminando tanto nas fazendas onde trabalhavam como nos quilombos, que eram espaços de liberdade.

Apesar de toda brutalidade da escravidão no Brasil, os africanos introduziram alimentos, como o feijão e o quiabo. Na música, sua influência daria a cadência e o ritmo sincopado próprio da música popular brasileira.

Igualmente, na dança, verificamos que o jeito de mover a cintura foi herdado dos africanos, o que originou uma infinidade de bailes como o maxixe e o samba.

Os africanos, como os povos iorubás e jejes, trouxeram a religião e seus orixás, que foram misturados com a crença cristã. Isto deu origem aos terreiros de Candomblé e, posteriormente, à Umbanda no Brasil.

Além disso, várias palavras africanas foram incorporadas ao português brasileiro, como quilombo, marimbondo, moleque, farofa, cochichar, quitute, etc.

Imigrantes Europeus no Brasil nos sécs. XIX e XX

Durante o século XIX, após vinda da corte portuguesa, os portos brasileiros foram abertos para o comércio com outras nações. Igualmente, pessoas de qualquer nacionalidade que desejavam fazer uma vida melhor, puderam se estabelecer no Brasil.

Desta maneira, levas de italianos, alemães, suíços, poloneses, espanhóis e árabes de diversas procedências vieram ao Brasil.

Cada uma dessas ondas de imigrantes acrescentou sua cultura e seus costumes ao Brasil. Assim, temos uma série de pratos, como o quibe e a esfirra, de origem árabe; bem como a introdução das massas e almôndegas pelos italianos, por exemplo.

Por sua parte, no começo do século XX a imigração japonesa foi estimulada pelos governos de ambos os países. Como consequência, o Brasil tem a maior população de descendentes de japoneses no mundo.

Mestiçagem no Brasil

A união entre os diferentes biotipos humanos acabou gerando indivíduos que não eram completamente indígenas, brancos ou negros, no que se refere ao aspecto genético.

Este fenômeno é chamado de miscigenação ou mestiçagem e está muito presente na sociedade brasileira.

MIGRAÇÕES NO BRASIL

Migração interna no Brasil

Fatores de ordem econômica são os principais fatores para a ocorrência da migração interna no Brasil.

Migração consiste no ato da população deslocar-se espacialmente, ou seja, pode se referir à troca de país, estado, região, município ou até de domicílio. As migrações podem ser desencadeadas por fatores religiosos, psicológicos, sociais, econômicos, políticos e ambientais.

A migração interna corresponde ao deslocamento de pessoas dentro de um mesmo território, dessa forma pode ser entre regiões, estados e municípios. Tal deslocamento não provoca modificações no número total de habitantes de um país, porém, altera as regiões envolvidas nesse processo.No Brasil, um dos fatores que exercem maior influência nos fluxos migratórios é o de ordem econômica, uma vez que o modelo de produção capitalista cria espaços privilegiados para instalação de indústrias, forçando indivíduos a se deslocarem de um lugar para outro em busca de melhores condições de vida e à procura de emprego para suprir suas necessidades básicas de sobrevivência.

Um modelo de migração muito comum no Brasil, que se intensificou nas últimas cinco décadas, é o êxodo rural, ou seja, a migração do campo para a cidade. O modelo econômico que favorece os grandes latifundiários e a intensa mecanização das atividades agrícolas têm como consequência a expulsão da população rural.

A região Sudeste do Brasil, até o final do século XX, recebeu a maior quantidade de fluxos migratórios do país, principalmente o estado de São Paulo, pelo fato de fornecer maiores oportunidades de emprego em razão do processo de industrialização desenvolvido.

No entanto, nas últimas décadas, as regiões Centro-Oeste e Norte têm sido bastante atrativas para os migrantes, pois após a década de 1970, a estagnação econômica que atingiu e ainda atinge a indústria brasileira afetou negativamente o nível de emprego nas grandes cidades do Sudeste, gerando pouca procura de mão de obra, ocasionando a retração desses fluxos migratórios. Assim, as regiões Norte e Centro-Oeste, que já captavam alguma parcela desse movimento, tornaram-se destinos da migração interna do Brasil.

As políticas públicas para a ocupação do oeste brasileiro foram determinantes para esse redirecionamento dos fluxos migratórios no Brasil. A construção de Brasília, os investimentos em infraestrutura, novas fronteiras agrícolas, entre outros fatores, contribuíram para essa nova distribuição.

O Sudeste continua captando boa parte dos migrantes brasileiros. A região recebe muito mais gente do que perde. O Centro-Oeste também recebe mais migrantes do que perde, sendo, atualmente, o principal destino dos fluxos migratórios no Brasil. O Sul e o Norte são regiões onde o volume de entrada e saída de migrantes é mais equilibrado. A Região Nordeste tem recebido cada vez mais migrantes, sendo a maioria proveniente do Sudeste (retorno), porém, continua sendo a região que mais perde população para as demais.

EXERCÍCIOS FIXAÇÃO HETEROGENEIDADE E MIGRAÇÃO BRASILEIRA

QUESTÃO 1

A respeito dos conceitos de raça e etnia, avalie as proposições a seguir:

I) No que diz respeito aos seres humanos, o termo raça não pode ser avaliado em seu sentido biológico, tendo em vista que, nesse aspecto, só existe a raça humana.

II) Raça e etnia referem-se à constituição física de uma determinada população. Os europeus nórdicos, australianos e estadunidenses pertencem a uma mesma raça, pois possuem características físicas semelhantes, como cor da pele, cabelo e olhos.

III) Quando se utiliza o termo raça para se referir a uma ou mais populações humanas, deve-se estar atento, pois o enfoque, nesses casos, é o aspecto sociocultural para diferenciar os grupos populacionais por características físicas e históricas.

IV) O termo raça tem origem biológica, diferentemente do termo etnia, que tem origem biológica, religiosa e cultural.

V) O termo etnia corresponde aos indivíduos que se diferenciam por sua especificidade sociocultural, refletida principalmente na língua, religião e maneiras de agir.

Estão corretas as alternativas:

a) I, II e V.

b) II, IV e V.

c) I, II e IV.

d) I, III e V.

e) I, III, IV e V.

QUESTÃO 2

O Brasil é conhecido por ser um país multiétnico. São colocados como os principais elementos formadores da nação brasileira:

a) Portugueses, os africanos e os imigrantes árabes, japoneses, italianos e alemães.

b) Imigrantes italianos, africanos e os imigrantes árabes.

c) Indígenas, imigrantes árabes e os imigrantes japoneses e italianos.

d) Os nativos brasileiros - os indígenas, os europeus brancos e os africanos, povo que aqui foi escravizado.

e) Os africanos negros escravizados, os europeus - essencialmente italianos, holandeses e alemães - e os imigrantes árabes.

QUESTÃO 3

Os grupos de origem europeia que constituem a atual população brasileira tiveram origens, motivações e história distintas no país. Os primeiros grupos europeus vieram para o Brasil logo no início da colonização do país e outros aportaram aqui apenas no século passado.

Os grupos humanos de origem europeia estão listados abaixo, exceto:

a) italianos

b) portugueses

c) holandeses

d) japoneses

e) alemães

QUESTÃO 4

Uma população, com origem comum, sustentou a economia do país durante vários anos por meio de seu trabalho, embora tenha sido trazida à força para o Brasil . Boa parte de nossa cultura, práticas sociais, religiões, tradições e costumes está associada a valores oriundos desse povo.

O fragmento acima faz referência a que elemento étnico constituinte da população brasileira?

a) Imigrantes árabes.

b) Africanos

c) Imigrantes japoneses.

d) Indígenas.

e) Alemães e italianos.

GABARITO DAS ATIVIDADES SOBRE INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DO BRASIL

Questão 1

Alternativa D. O IDH é um indicador quantitativo, uma vez que expressa, por meio da variável valor, o nível de desenvolvimento humano de uma determinada sociedade.

Questão 2

Alternativa C. O IDH é um indicador socioeconômico variável, uma vez que as transformações que acontecem na sociedade, nos aspectos sociais e econômicos, alteram seu valor. Um exemplo: a queda da expectativa de vida devido a uma pandemia pode gerar uma redução no valor final do IDH.

Questão 3

Alternativa A. O IDH varia de 0 a 1. Quanto mais próximo de 1, mais desenvolvido é o lugar, já quanto mais perto de 0, menos desenvolvido ele é.

Questão 4

Alternativa B. O parâmetro educação, no IDH, é composto de duas variáveis. A primeira é a previsão de anos de estudo de uma criança ao nascer, e a segunda é a média de estudos da população em geral.

Questão 5

Alternativa A. A maior concentração de países com IDH baixo ou muito baixo está na África. Esse cenário reflete o processo predatório de colonização que aconteceu no continente, assim como a instabilidade política e o baixo crescimento econômico, característicos de vários países africanos.

Questão 6

Alternativa B. O Brasil, apesar da dificuldade de implementação de políticas de saúde e educação, possui um IDH considerado alto. No ano de 2019, por exemplo, o IDH do país foi de 0,765.

Questão 7

Alternativa E. O Distrito Federal é o ente federativo brasileiro que possui o maior IDH do país. O resultado expressivo é fruto, em especial, da alta renda dos moradores locais. O IDH do Distrito Federal, em 2019, foi de 0,824, considerado muito alto.

Questão 8

Alternativa B. Os três parâmetros que compõem o IDH são: a renda per capita da população, a expectativa de vida da população, e a educação (dividida em anos previstos de estudo e média de anos de escolaridade).

Questão 09

Alternativa D. A questão apresenta os três parâmetros do IDH de uma forma mais generalizada. Desse maneira, longevidade refere-se à expectativa de vida; renda é a produção total de riquezas dividida pela população; e a educação diz respeito aos anos previstos e médios de estudo da população.

Questão 10

Alternativa E. A tabela apresenta a desigualdade econômica e social entre os países expressa pelo IDH. No caso de Noruega e França, ambas são países desenvolvidos e altamente industrializados. Já os demais possuem uma economia pouco desenvolvida baseada na exportação de bens primários e artigos poucos duráveis.

GARARITO LIVRO

PAGINA 75

1,2,3,4,5

1. Utilização de métodos contraceptivos, o planejamento familiar e o aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho.

2. a população brasileira se distribui irregular pelo território brasileiro. Apesar de possuir grande população absoluta, o território é bastante extenso, e a maior parte da população está localizada na faixa litorânea.

3. a) a mensagem é que o IDH não traduz a realidade vivida por toda população, pois se trata de uma média nacional.

b) não. Apesar da charge retratar uma situação de exclusão social e econômica real do pais, essa característica não acontece com toda a população.

4. a baixa queda de natalidade e fecundidade tem ligação com a entrada da mulher no mercado de trabalho, e o aumento da expectativa de vida e queda da mortalidade, tem ligação com a melhoria das condições de saúde e vida da população, além dos avanços da medicina, urbanização e métodos contraceptivos.

5. a queda de natalidade tem a ver com maior acesso a informação, métodos contraceptivos, crescente participação da mulher no mercado de trabalho. E queda da mortalidade, tem ligação com a melhoria das condições de saúde e vida da população, além dos avanços da medicina, urbanização.