História - Industrialização e Urbanização na Primeira República e a Inserção dos Negros no período republicano pós-abolição - 9º anos A,B,C,D - professora Tãnia Rochele

20/05/2021

Correção das atividades anteriores sobre: As Revoltas da República

01- E                                        02- A                                         03- D

04- E para você a vacinação deveria ser obrigatória? Justifique sua resposta. O aluno terá em mente que estamos em uma pandemia e que nesse momento no Brasil, está sem controle. Devesse perceber que de um lado, nós temos a proteção da saúde pública, e do outro, um eventual direito individual de pessoas que querem se negar a tomar a vacina, seja por ideais políticos, religiosos. Deve ter a visão de que o direito à saúde pública e a obrigação de se vacinar devem prevalecer frente a supostas liberdades individuais.

E sobre as restrições de direito pela falta de comprovação da vacina, qual a sua opinião sobre isso?O aluno deverá perceber que para todo ato tem-se uma responsabilidade a se arcar.

CONTEÚDO DO PERÍODO 20/05 A 06/06

INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO NA PRIMEIRA REPÚBLICA

Na primeira República, os setores sociais no Brasil eram ligados basicamente à agricultura. Porém houve também um expressivo aumento do número de indústrias, o que impulsionou a diversificação das atividades econômicas. A industrialização brasileira foi beneficiada por recursos vindos de outros setores da economia. Muitos imigrantes e cafeicultores, por exemplo, deslocaram parte dos seus ganhos para a instalação das industrias e investiram em infraestrutura, construindo ferrovias, portos, estradas, etc. Muitas empresas estrangeiras passaram a investir no Brasil.

OS TRABALHADORES IMIGRANTES

Os imigrantes que entravam em grande quantidade no país desde a década de 1880, eram a principal mão de obra utilizada nas indústrias. Entre 1889 a 1940 estima-se que o Brasil tenha recebido cerca de 3 milhões de estrangeiros. A maioria vinha da Europa, principalmente da Itália, de Portugal, da Espanha e da Alemanha. O primeiro grupo de imigrantes japoneses chegou ao Brasil somente em 1908.

MOBILIZAÇÃO OPERÁRIA

As condições de trabalho eram precárias nas fábricas. Os trabalhadores eram submetidos a longas jornadas de trabalho, superior a dez horas diárias, e recebiam baixos salários. Local de trabalho era insalubre e sem qualquer segurança. Além disso, os operários poderiam ser demitidos a qualquer momento, sem direito à assistência; caso sofressem algum acidente, não recebiam indenização.

Não havia uma legislação que oferecesse garantias ao trabalhador.A maioria dos imigrantes vindos para o Brasil eram politizada e já haviam participado de mobilizações operárias em seus países de origem. Divulgando suas ideias socialistas, anarquistas e sindicalistas revolucionárias, que influenciaram e muito o movimento operário brasileiro.

MOVIMENTO OPERÁRIO

Não se configurou um movimento de revolta, mas sim uma organização político-trabalhista

CAUSAS

Não havia lei trabalhista e era comum haverexploração do trabalho infantil. Diante desse quadro, surgiram ideias socialistas e anarquistas no Brasil. Reivindicavam a redução da jornada de trabalho para oito horas diárias e a regulamentação do trabalho feminino e infantil.

FATOS PRINCIPAIS

Os grupos organizaram sindicatos livres, fundaram jornais próprios, tentaram criar um sistema de ensino sem vínculos com o governo, abriram bibliotecas e organizaram manifestações, boicotes e greves. Houve repressão do governo.

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO PERÍODO REPUBLICANO DO PÓS-ABOLIÇÃO

O golpe que derrubou a monarquia foi organizado e conduzido pelos grupos dominantes, ou seja, pelas elites. Proclamada logo em seguida à abolição da escravatura, a República, não significou, por exemplo, melhores condições para a população negra que vivia no país. No final do século XIX, a grande maioria dos negros não sabia ler nem escrever. Era uma herança relacionada aos mais de 350 anos de escravidão, que privou s africanos e seus descendentes de acesso formal à educação e os obrigou a destinar todo o seu tempo ao trabalho. Um dos argumentos para justificar essa exclusão era o de que o acesso à leitura e à escrita facilitaria a organização de rebeliões de cativos, colocando e risco a sociedade escravocrata.

O fim da escravidão e a República, contudo, não asseguraram aos negros o acesso imediato ao ensino. Na virada ao século XIX para o século XX a educação dessas pessoas dava-se, muito mais, por meio de entidades negras de caráter cívico e recreativo, do que por meio das escolas. Ainda assim, essas entidades eram insuficientes para tirar a grande maioria dos afrodescendentes do analfabetismo. Impossibilitadas de ler e escrever, essas pessoas, ficavam também impossibilitadas de participar da vida política do Brasil, pois era proibido aos analfabetos o direito de votar nas eleições.

Passados mais de 120 anos desde o fim da escravidão, os negros obtiveram diversas conquistas sociais, econômicas e políticas. Contudo, como salienta o historiador José Murilo de Carvalho, as consequências das desigualdades entre brancos e negros "foram, duradouras para a população negra".


Atividades do livro pedagógico

Agora que você viu um pouco da história da INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO NA PRIMEIRA REPÚBLICA e A INSERÇÃO DOS NEGROS NO PERÍODO REPUBLICANO DO PÓS-ABOLIÇÃO, faça a leitura dos textos das páginas27 a 31 e 34 e 35 e as atividades do texto:

página 35 nº 1 e 2. Copiar as atividades no caderno e responder (não precisa copiar o texto).

Página 39 nº 4 e 5

Atividade sobre a letra da música

Música: Racismo É Burrice

Gabriel O Pensador

Salve, meus irmãos africanos e lusitanos, do outro lado do oceano

"O Atlântico é pequeno pra nos separar, porque o sangue é mais forte que a água do mar"

Racismo, preconceito e discriminação em geral;

É uma burrice coletiva sem explicação

Afinal, que justificativa você me dá para um povo que precisa de união

Mas demonstra claramente

Infelizmente

Preconceitos mil

De naturezas diferentes

Mostrando que essa gente

Essa gente do Brasil é muito burra

E não enxerga um palmo à sua frente

Porque se fosse inteligente esse povo já teria agido de forma mais consciente

Eliminando da mente todo o preconceito

E não agindo com a burrice estampada no peito

A "elite" que devia dar um bom exemplo

É a primeira a demonstrar esse tipo de sentimento

Num complexo de superioridade infantil

Ou justificando um sistema de relação servil

E o povão vai como um bundão na onda do racismo e da discriminação

Não tem a união e não vê a solução da questão

Que por incrível que pareça está em nossas mãos

Só precisamos de uma reformulação geral

Uma espécie de lavagem cerebral

Racismo é burrice

Não seja um imbecil

Não seja um ignorante

Não se importe com a origem ou a cor do seu semelhante

O quê que importa se ele é nordestino e você não?

O quê que importa se ele é preto e você é branco

Aliás, branco no Brasil é difícil, porque no Brasil somos todos mestiços

Se você discorda, então olhe para trás

Olhe a nossa história

Os nossos ancestrais

O Brasil colonial não era igual a Portugal

A raiz do meu país era multirracial

Tinha índio, branco, amarelo, preto

Nascemos da mistura, então por que o preconceito?

Barrigas cresceram

O tempo passou

Nasceram os brasileiros, cada um com a sua cor

Uns com a pele clara, outros mais escura

Mas todos viemos da mesma mistura

Então presta atenção nessa sua babaquice

Pois como eu já disse racismo é burrice

Dê a ignorância um ponto final:

Faça uma lavagem cerebral

Racismo é burrice

Negro e nordestino constroem seu chão

Trabalhador da construção civil conhecido como peão

No Brasil, o mesmo negro que constrói o seu apartamento ou o que lava o chão de uma delegacia

É revistado e humilhado por um guarda nojento

Que ainda recebe o salário e o pão de cada dia graças ao negro, ao nordestino e a todos nós

Pagamos homens que pensam que ser humilhado não dói

O preconceito é uma coisa sem sentido

Tire a burrice do peito e me dê ouvidos

Me responda se você discriminaria

O Juiz Lalau ou o PC Farias

Não, você não faria isso não

Você aprendeu que preto é ladrão

Muitos negros roubam, mas muitos são roubados

E cuidado com esse branco aí parado do seu lado

Porque se ele passa fome

Sabe como é:

Ele rouba e mata um homem

Seja você, ou seja, o Pelé

Você e o Pelé morreriam igual

Então que morra o preconceito e viva a união racial

Quero ver essa música você aprender e fazer

A lavagem cerebral

Racismo é burrice

O racismo é burrice, mas o mais burro não é o racista

É o que pensa que o racismo não existe

O pior cego é o que não quer ver

E o racismo está dentro de você

Porque o racista na verdade é um tremendo babaca

Que assimila os preconceitos porque tem cabeça fraca

E desde sempre não para pra pensar

Nos conceitos que a sociedade insiste em lhe ensinar

E de pai pra filho o racismo passa

Em forma de piadas que teriam bem mais graça

Se não fossem o retrato da nossa ignorância

Transmitindo a discriminação desde a infância

E o que as crianças aprendem brincando

É nada mais nada menos do que a estupidez se propagando

Nenhum tipo de racismo - eu digo nenhum tipo de racismo - se justifica

Ninguém explica

Precisamos da lavagem cerebral pra acabar com esse lixo que é uma herança cultural

Todo mundo que é racista não sabe a razão

Então eu digo meu irmão

Seja do povão ou da "elite"

Não participe

Pois como eu já disse racismo é burrice

Como eu já disse racismo é burrice

Racismo é burrice

E se você é mais um burro, não me leve a mal

É hora de fazer uma lavagem cerebral

Mas isso é compromisso seu

Eu nem vou me meter

Quem vai lavar a sua mente não sou eu

É você.

Atividade Não precisa copiar a letra da música) Interpretação da letra da música

Faça uma produção de um desenho, de sua autoria, retratando a letra da música, Racismo É Burrice

Essa produção pode ser no caderno, folha avulsa ou até mesmo em programas digitais.

Use sua imaginação!!! Acredito em seu trabalho!

Recurso pedagógico

https://www.youtube.com/watch?v=ZK3_tmz4WDA

https://youtu.be/WZUycmYkT6M